começaram a gritar um monte de baixarias -1150

1150 – Vou relatar o último, porque me marcou de algumas formas. Esses tempos eu fui num bar com minha amiga e depois íamos para uma balada. Era perto, dava pra ir a pé, então nós fomos. Era noite e estávamos andando por uma rua que normalmente é movimentada, mas aquele dia estava bem tranquila, quase deserta. Eis que vem vindo um carro na nossa direção e, quando chegou perto de nós, o cara parou no meio da rua. Estava cheio de homens e eles começaram a gritar um monte de baixarias que metade eu não entendi e o resto nem lembro mais, porque nunca fiquei tão brava com alguma cantada na minha vida. Eu não acreditei na pachorra de parar o carro pra falar merda. Fiquei parada, olhando pra eles, incrédula e puta, muito puta. Fui até a beirada da calçada e comecei a gritar também, chamei todos eles das piores coisas que vem na cabeça nessas horas e terminei com um sonoríssimo “ME RESPEITA” que ecoou na rua inteira. Os caras ficaram quietos, olhando pra mim com cara de susto e enquanto eu falava o motorista começou a sair com o carro, mas eles ouviram tudo que eu tinha pra dizer e a cara deles já valeu todo o desgaste.

Uma coisa que me marcou foi que na hora que eu me revoltei e comecei a responder, minha amiga ficou desesperada e começou a puxar meu braço falando “vamos embora, não responde, finge que não ouviu”. Sei que me arrisquei e arrisquei a ela, estávamos num lugar com poucas pessoas perto e mesmo em outras situações, sempre sinto medo de responder. Mas poxa, eu não consigo fingir que não ouvi um tamanho desrespeito desses. Pra mim, fingir que não ouvi é compactuar com essa merda de assédio que nós sofremos diariamente. Por experiência própria e lendo muitos relatos aqui, é fato que a maioria desses homens se borra quando as mulheres respondem. É claro que o risco existe, mas nesse mundo machista eu acho que viver por si só já é um risco para nós e defendo que sim, temos que responder. Talvez se todas nós fizéssemos isso, esses animais calassem suas bocas sujas.