começou a gritar que era para eu entrar no carro – 1040

1040 – Quando eu tinha 12 anos estava a caminho do apartamento de uma amiga para passar a tarde por lá (ficava na Rua Rio de Janeiro, em Sao Paulo, que é aproximadamente em forma de S).
Quando estava atravessando a entrada de uma garagem, um carro diminiu de velocidade e eu achei que estava tentando entrar no prédio. Acelerei o passo e continuei andando. O carro me seguiu e e encostou novamente.
Dessa vez olhei para o motorista, que não devia ter mais de 20 anos, e ele falou que era para eu entrar no carro com ele. Ele queria “me mostrar uma coisa”. Ignorei e continuei andando. E ele continou me seguindo, pedindo para eu contar meu nome, do que eu gostava, para entrar no carro. Quando não respondi ele foi embora.
Ou eu achei que tivesse ido. Ele simplesmente deu a volta no quarteirão, parou novamente ao meu lado e dessa vez, começou a gritar que era para eu entrar no carro, que ele queria me levar para passear e que eu era uma vadia.
Fiquei com tanto medo que eu toquei a campainha de um prédio qualquer e pedi para o porteiro deixar eu esperar na portaria do prédio. Esperei por meia hora, com medo que o tal motorista estivesse com o carro parado numa das viradas da rua.
Fazem 22 anos e eu nunca me esqueci nem do carro nem da cara do motorista, nem do medo que eu senti.