Ele começou a fazer “carinho” na minha mão – 833

833 – “Meus pais sempre foram super protetores e eu só comecei a sair de casa sozinha, para ir ao shopping com as amigas com uns 17 anos.Quando eu tinha 14 anos, tinha uma consulta no hospital que minha mãe trabalha, então fui com ela. No ônibus só havia um lugar vago e pedi para minha mãe sentar e eu fiquei de pé, ao lado dela. Ela estava lendo e eu vendo a rua, com a mão no ferro, para me segurar. Nisso chegou um cara, que aparentava ter uns 30-35 anos, social e maleta. Barba bem feita. Impecável.

Ele parou do meu lado e colocou a mão no ferro também. E segundos depois, ele colocou a mão na minha. Ingênua, eu pensei que tivesse escorregado, mas não. Ele começou a fazer “carinho” na minha mão e deu um sorriso torto pra mim.

Meu estômago gelou. Eu desci a minha mão e ele começou a fazer movimentos no ferro que hoje eu associo com masturbação (não sabia nada de sexo naquela época) e colocou a mão de volta na minha. E olhou firme pra mim. Entrei em pânico, mas não soube reagir. Não queria que minha mãe me visse passando por aquilo. Não queria estragar o dia dela.

Por sorte, o ônibus chegou ao terminal logo após o olhar dele, e ele sorriu ao ver meus olhos arregalados. Minha mão estava gelada como está agora.”