“Está fotografando a bunda da moça!” – 929

929 – Sabem qual é a nova moda porca nos ônibus de Curitiba?

Respeito pra quê?

Hoje estava andando de biarticulado e, como sempre, a gente se depara com algumas coisas inacreditáveis.

Estava lá de pé e de boa na lagoa na porta dois, quando aparece na minha frente um homem “mexendo” no celular. Eu, que não sou tonga nem nada, já saquei que ele deveria estar fotografando/filmando alguém ou partes de alguém. E tinha uma mulher virada pra mim (de costas pra ele)… Passei por ela (prestando atenção no infeliz), e me sentei em um dos bancos mais altos disponíveis. A moça passou por mim (para saltar na porta 1) . E o cara foi atrás! Nisso eu vi que ele estava usando a câmera do celular. Parou logo atrás dela e continuou. Pra quê?

Bom, primeiro eu fiquei puta. E depois apaguei da minha memória se o que a criatura estava fazendo (ou eu estava prestes a fazer) era contra a lei ou não.

Eu só sabia que era errado. ERRADÍSSIMO.

Levantei, fui até o homem e me certifiquei do que desconfiava que estava fazendo. E estava.

Cutuquei o ombro dele e JURO que nunca fui tão educada na minha vida com quem não merecia. Segue o diálogo:

Eu: “Pode desligar isso aí! Eu VI o que o senhor está fazendo e isso é ERRADO! O senhor NÃO PODE fazer isso!”

Ele: “O que eu estou fazendo? Não estou fazendo nada!” acreditem que o descaramento foi tanto que ele aparentava estar calmo.

Eu: “Está fotografando a bunda da moça! Que eu VI! O senhor não pode fazer isso! Isso é uma pouca vergonha! Uma porquice!”

Nisso fui sentando no meu lugar um pouco atrás, porque mais um segundo em pé (e com um pouco mais de coragem) eu perderia o controle e bateria nele.

Ouvi ele resmungar algo sobre me “processar”; e acho que ele viu que eu não fiquei com medo, resolveu engolir as palavras e mandou essa me estendendo o celular:

Ele: “Pode ver aqui, não tem nada!” descarado.

Eu.: “Não é pra mim que você deve satisfação! É pra moça ali! Mostre pra ela!”

Ela já estava saindo, mas parou do lado de fora do ônibus (dentro do tubo da central). E pediu pra ver! E PASMEM! Ele deu o celular pra ela.

Nisso, alguns no ônibus me olhavam com cara de dúvida, outros me olhavam como se eu fosse louca (sou mesmo).

Mas, aparentemente, o motorista ficou curioso e ficou esperando para ver o final da história. Dava pra ouvir tudo.

A moça viu, e lógico passou a boca nele. Foi bonito de ver!!! Ele implorava: “Só não apaga as outras!” As OUTRAS.

Sim, o desgraçado faz isso sempre, com várias mulheres. Será que ele guarda pra si? Vende? Distribui? Publica essas imagens na Internet?

Alguns no ônibus vieram falar comigo, falaram que eu fiz certo, que é uma pouca vergonha! Que poderia ser qualquer pessoa! Que era uma falta de respeito. E depois só gentilezas: nunca um homem foi tão bem educado comigo para me oferecer lugar, ou pedir passagem para sair.