eu era criança, ele me tocava com malícia – 1048

1048 – Não tem haver com cantadas de rua,mas sim com abuso. O caso é um pouco longo.
Tenho 26 anos, na época do ocorrido eu deveria de por volta de nove à onze anos, eu era bastante inocente.

Minha mãe tinha de trabalhar duro para sustentar eu e meu irmão, e sempre trabalhava em casa de família cozinhando e tinha de dormir no emprego, nos deixando por conta de cuidar da casa. Meu irmão era uma pouco mais velho que eu e também inocente .

Então um rapaz que deveria ter uns dezesseis anos começou a frequentar a minha casa. Naquela época conhecíamos muitas pessoas que iam lá jogar video game. Certo dia vez eu estava sentada no sofá e esse rapaz veio para o meu lado, conversávamos algo que não me lembro, e em algum momento eu disse eu estava tirando os pelos do meu gato que tinham se grudado na minha roupa; ele perguntou minha idade e começou a tocar meu corpo dizendo que estava ajudando a retira-los de lá. Não me senti à vontade com situação e disse que não precisava, mas inocentemente acabei consentindo. Porém comecei a suspeitar de que havia algo errado e saí de perto dele. No momento não se encontrava nenhuma outra pessoa na sala conosco.

Após isso ele passou a frequentar minha casa, e quando ele vinha ficava andando atrás de mim de forma que meu irmão não notasse. Quando eu ia fazer alguma coisa ele ficava atrás de mim tentando me tocar por detrás da minha cintura.

Certa vez quando eu estava sentada à mesa usando saia (naquela ápoca eu não tinha noção da maldade na cabeça das pessoas e não me preocupava em me sentar com as pernas fechadas). A mesa se localizava atrás do sofá, (como ela era alta, se a pessoa que estivesse no sofá se virasse para trás dava pra ver as pernas de quem estivesse sentado nas cadeiras), e esse rapaz ficava lançando objetos pelo meio de minhas pernas. No começo achava graça, que estava apenas sendo simpático comigo, não pensei que na verdade ele estava abusando de mim. Essas situações se tornaram recorrentes e percebi que não poderia mais ficar mais à vontade dentro da minha casa. Um dia contei tudo pra minha mãe, ela ficou revoltada e perguntou se eu estava bem. Ela queria chamar a polícia, mas não tínhamos provas e temendo pela minha segurança contou tudo para a sindica do prédio na época para que ela alertasse os outros moradores e proibisse a entrada dele no meu prédio. Meu irmão se sentiu culpado por não ter notado as atitudes dele, pois também não o conhecia muito esse abusador e naquela época confiávamos muito nas pessoas. Depois disso ele nunca mais apareceu por aqui, porém eu o via passando na rua e sentia um profundo rancor dele.

Depois de ter superado tudo isso, cresci e toquei minha vida normalmente, até que nesse mês surgiu um novo morador com sua família no apartamento que fica ao lado do meu. Era o sujeito, não pude acreditar no que via, veio à tona todas aquelas lembranças ruins da época. Não sei se ele pensa que não foi grave o que fez, ou que tenha ficado no passado (que até ele aparecer tinha ficado), pois na maior cara de pau ele veio conversar com meu irmão sobre um assunto qualquer, e meu irmão percebendo de quem se tratava, veio falar comigo. Me perguntou se eu sabia que esse cara havia se mudado para cá, e eu disse que sim, e talvez percebendo que travei nesse momento, não fez mais comentários.

O que esse cara fez comigo foi grave, ele abusou de mim por meio de seus toques maliciosos. Não consigo olhar para a cara dele no corredor, fecho a cara e passo direto, e me pergunto até quanto tempo irei suportar essa situação.