”eu não mordo não moça!” – 653

653 – “Hoje, voltando do mercado, eu que sempre tenho a mania de desviar de homens na rua no sentido de evitar aborrecimento e humilhação daquelas diárias, abro um espaço de pelo menos dois metros de distância entre eu e ele – andando no meio da estrada, e ele na calçada. Logo após ver que eu estava me distanciando dele, fulaninho ficou aborrecidinho e berrou: ”eu não mordo não moça!” Olhando pra trás eu respondo: ”não, era só pra ti não abrir a boca pra falar mesmo!” e continuei andando. Eu sei que ele ficou puto e me xingou, por que eu ouvi algo do tipo ”sua… sua…” Agora eu tenho que dar satisfação até para me afastar?”