Eu nunca fui de me defender, não consigo – 1081

1081 – Eu nunca fui de me defender, não consigo. Tenho medo de onde pode chegar a violência das pessoas. É muito comum mexerem comigo pelas ruas, fico nervosa e triste, pior ainda: impotente.

Estava voltando da faculdade para o trabalho quando alguns lixeiros me olharam de forma que todas nós sabemos e soltaram alguns “elogios” (eles já faziam isso quase todos os dias, o que me deixava chateada). Ao pegar o lixo de um restaurante TODOS desceram do caminhão e começaram a falar em bando: “ô loirinha, comprei um corsa!”, “que isso novinha!”, “linda, vem andar de Honda”. Eu não acreditei na capacidade de parar o trabalho para mexer comigo, fiquei paralizada, de costas para eles, sem saber como reagiria, se xingaria todos ou continuava andando como sempre. Mas essa pausa no andar durou o bastante para falarem: “que isso lôrinha, chora não, vem cá”, mais outros tipos de humilhações.

Além de sofrer a vergonha, tive que conviver com o olhar de TODOS do restaurante (que por sinal alguns me conheciam pois meu pai tem comércio no mesmo bairro, o que ainda torna mais humilhante). Chegando em prantos no trabalho, tive que conviver com frases do tipo: “pensei que era algo sério”, “ta chorando por isso?”, e ainda “deveria ter brincado com eles”….

Até hoje tenho isso na cabeça. Tive medo de reagir e as pessoas além de pensarem que estou fazendo tempestade, pensarem também que fui preconceituosa por causa da profissão dos agressores.

Um dia desses eu fui reagir a um : “nossa, que linda” de um velho, ele me perseguiu pra tirar satisfação. Depois de “ganhar a discussão”, fiquei trêmula e me sentindo fraca.

Ainda não sei me defender.