Eu percebi que era abuso, quando cresci – 1988

Vim contar um abuso cometido quando criança, aconteceu na casa da “minha avó”, pelo padastro da minha mãe, eu percebi que era abuso, quando cresci e vi que aquilo era estranho, repugnante e nojento; o que me recordo, é “minha avó” dizer pra ficar no quarto enquanto ele saia do banheiro, lembro de deitar na cama, e ele passar o que agora sei que era o pênis dele em mim, quero acreditar que foi só isso, porque eu era só uma guriazinha, faz mais de dez anos que não dirijo a palavra a “minha avó”, é algo maior que ódio; tenho um certo rancor dos meus pais não perceberem o meu jeito quieto, de não perguntarem se eu estava bem, hoje sei que tenho auto-mutilação, de cutucar algo no rosto, braços, e é essa dor interna.
Procuro sempre não pensar nisso, mas existem fatores que desencadeiam, tipo um cheiro que me repulsa, cheiro de cigarro e homens que tem a aparência do monstro. Digitar esse relato, é mais que um desabafo, é desejar que isso fique no passado, e não atrapalhe o presente. 🙂