“eu uso a roupa que eu quiser, seu merda!” – 1274

1274 – Era mais ou menos 22h, eu tinha 16 anos e estava andando na rua com meu cachorro de porte grande. Tinha feito várias coisas durante o dia e só conseguia passear com ele aquela hora. Vestia uma blusa normal, tênis e uma calça legging escolar. Descia tranquilamente a rua da padaria aqui perto, movimentada a esse horário, quando um cara de uns 23 anos num carro cinza me para supostamente pra pedir informação.

– eu tô perdido, você pode me dar uma informação?

Meio desconfiada, perguntei aonde ele gostaria de ir.

– pra dentro do seu coração.

Na hora fiquei sem reação, resmunguei um “você é brega, hein?”, virei a rua e continuei meu caminho. Nisso ele me acompanhou em baixa velocidade, dizendo alguma besteira do tipo que não lembro, porque coloquei meus fones com a música no máximo. Vendo que ele não parava, já extremamente nervosa, gritei “você não vai embora não, caralho?” e ele, rindo, disse que tudo bem. Acelerou e eu continuei andando, confusa com toda aquela situação. Ele deu meia volta e disse bem alto “se eu fosse você não usaria essa calça a essa hora”. Mais nervosa do que já estava, gritei “eu uso a roupa que eu quiser, seu merda!” e ele foi embora, rindo.

Cheguei em casa e não comentei nada com ninguém. Tremendo, fui tomar banho e jurei que nunca mais usaria aquela calça, que fazia parte de uniforme escolar! Me culpei por muito tempo, questionei se realmente tinha responsabilidade por aquela situação, o que ele pretedia com tudo aquilo, se era realmente uma “besteira”… até hoje não sei como reagir a essas coisas…