falou besteira e passou a mão no meio das minhas pernas – 1191

1192 – Li vários relatos no blog e hoje tomei coragem de contar minha história.

Desde pequena sofro com algum tipo de abuso/assédio. Lembro que quando tinha 03/04 anos fui com minha mãe a casa de uma amiga dela cujas filhas eram amigas minha e da minha irmã. Uma hora o pai delas me viu sozinha na sala, vendo tv. Ele entrou na minha frente, desabotoando e abaixando a calça, dizendo que ia me mostrar uma coisa (ou algo do gênero). Saí correndo e contei pra minha mãe que estava na cozinha. Não lembro se minha mãe disse alguma coisa mas acredito que sim porque ela é muito nervosa e porque depois disso ela foi embora na hora! Sem falar que nunca mais ela deixou ele se aproximar de mim ou dos meus irmãos. Hoje penso se ele não fazia algo com os próprios filhos.

Uns 10 anos depois estava na porta do prédio onde morava esperando o ônibus escolar pra me levar pra aula, quando um bêbado falou alguma besteira pra mim e passou a mão no meio das minhas pernas. Assustada, corri pra dentro, tremendo. Não consegui abrir o portão e entrar antes que ele voltasse e começasse a se esfregar em mim, ou melhor na minha mochila, graças a ela ele não se esfregou em mim. Consegui abrir o portão e ele se foi. Voltei pra casa e contei pra minha mãe. Ela ficou desesperada. Não consigo esquecer do olhar de tristeza dela, não conseguiu defender a filha dela de um tarado. Por precaução a partir daquele dia comecei a esperar o escolar dentro do prédio, escondida nas escadas.

Ano passado quase fui estuprada por um maluco que me seguiu por sei lá quantos metros na rua. Ele só não conseguiu porque um rapaz (rezo por ele todos os dias) me olhou assustado e conseguiu me alertar que estava sendo seguida e porque dois guardas municipais me ajudaram, um deles inclusive me colocou dentro do ônibus pra ir pra casa, enquanto o outro levou o maluco pra longe.

Por conta de tudo isso sexo é quase um tabu pra mim. Não gosto de falar sobre isso e tenho muita dificuldade em ter relações sexuais. Isso piorou depois que tive depressão, foi como se tudo que me aconteceu e que eu demorei anos pra “esquecer” tivessem voltado à tona e eu fiquei ainda mais “travada”. O triste é que tenho medo de perder meu namorado, mas é muito difícil passar por cima de tudo que me aconteceu.

Bom, essa é minha história, longa, triste,pesada… e eu nem falei dos milhares de assédios que ouço na rua, mesmo quando acompanhada ou das vezes que me agarraram a força na balada. Obrigada pelo ombro amigo!