Minha família é racista – 955

955 – Eu devo ter uma das piores famílias desse Brasil, porque não é possível. Já escrevi aqui antes contando como eles me tratavam e de como sempre me chamavam de gorda e encalhada e que minha avó tinha certeza que eu era lésbica por não ter um namorado. Sei que reclamar aqui não vai mudar ninguém em casa, mas é um lugar onde eu me sinto a vontade, vocês sempre fazem comentários confortantes.

Partindo para o absurdo de hoje. Na hora do jantar, meu avô começou um assunto estúpido de pelo no peito dos garotos. Meu avô contou que um primo dele tinha muito, nas costas, no peito todo, e todo mundo riu, e eu fiz o maldito comentário “Deve parecer um macaco”. Pra que? Meu primo de 15 anos estava na minha frente e disse “Olha só quem fala, preta do jeito que você é e ainda fala que o cara é macaco?”.

Eu fiquei chocada. Minha família é racista. Meus avós principalmente. Eu já ouvi comentários muito toscos da minha avó, do tipo “Faça um trabalho de branco, viu?” ou então “É claro que ela fede, é preta, né?”. Mas toda vez que algo assim sai, eu ainda fico pasma. Não sei como reagir, se faço um escândalo, falo o que eles merecem ouvir, ou se deixo pra lá. Fica cada vez mais difícil de aguentar.

Eu só disse “Espero que faça esse comentário de novo perto de mim quando fizer 18 anos”, dando a entender que ia seguir com processo contra ele, sabem? Mas ele só riu. Ele riu e ninguém disse nada, tudo muito natural. A mãe dele estava na frente, mas ao invés de educar o filho, só virou pra tv mais uma vez pra assistir a novela da globo. E a conversa continuou.

“Não entendo porque você nasceu preta se seu pai e sua mãe são brancos”. Nesse ponto eu acho que deveria deixar claro que não sou negra. Eu sou morena, mas morena bem clara. Não é como se eu fosse negra de verdade. Imagina o que eles diriam se eu fosse. Fico me perguntando se me deixariam morar aqui ou se me apresentariam como parente. “É porque o pai dela tem um parente moreno”, a minha avó falou. Ela nem consegue falar a palavra negro, mano. É ridículo.

Mas o pior é saber que ninguém vai levar a sério se eu falar alguma coisa. Se eu rebater, se eu falar pra parar. “Ah, Jéssica se estressa com qualquer coisa. Qual a necessidade disso? O menino estava só brincando”.

Depois ainda me perguntam porque não faço refeições com eles.