Não fiquem caladas diante de MÉDICOS ABUSIVOS – 1265

1265  – Olá de novo! Eu sei que faz muito pouco tempo que mandei um enorme depoimento aqui para o Cantada de rua. Gostaria de agradecer por terem publicado. Dessa vez eu gostaria de usar o meu testemunho para encorajar mulheres a não ficarem caladas diante de MÉDICOS ABUSIVOS.

Na mesma noite que mandei o meu primeiro depoimento me lembrei de umas situações muito constrangedoras e invasivas que passei nas mãos de um ortopedista. Comecei a malhar muito cedo, com 14 anos, na ânsia de atingir padrões que hoje em dia nem admiro tanto, e aos 15, durante um treino, lesionei os meus joelhos. Tive que fazer um tratamento de seis meses tomando um remédio manipulado. Desde a primeira vez que pus os pés na sala do médico (acompanhada da minha mãe), ele já começou a falar que eu não precisava ter malhado, porque eu era muito linda e tinha um corpo muito bonito, assim assado. Me chamava de “minha princesa”, e era carinhoso até demais. Minha mãe até falou depois que não gostou daquela “babação”. A princípio levei na “esportiva”, e quis encarar como “elogio”.

Porém, em outras consultas (sempre com a minha mãe) quando ele me examinou fisicamente na maca, o que era para ser apenas um toque nos joelhos, passou para alisamento descarado nas coxas… E um dia, ao estar deitada com meu joelho flexionado, ele colocou a MÃO na minha região íntima e demorou uns segundos (que para mim foram muitos) lá! Eu fiquei super constrangida, sem reação, sem saber o que falar, não consegui ter coragem de pegar o braço dele e tirar. Não tinha nada a ver ele colocar a mão na minha vulva sendo que a lesão era no joelho, assim como não tinha necessidade de ficar passando a mão nas minhas coxas! Depois desse dia, ele disse que queria me ver uma vez por mês. Só que não! Tomei os remédios durante o período estabelecido e no último mês fui lá. Que bom que ele se comportou nesse dia. Eu jamais esqueci aquela ousadia dele e não tenho um pingo de vontade de me consultar com ele novamente, mesmo ele sendo um médico bom em sua profissão, porém um assediador perigoso para moças inocentes. Não sei se ele tira casquinha apenas das jovens que vão lá, mas não quero imaginá-lo fazendo isso.

MULHERES, NÃO SE CALEM DIANTE DE MÉDICOS ASSEDIADORES! Às vezes fico pensando que poderia ter tirado ele de tempo na primeira passada de mão e o deixado constrangido, minha mãe estava lá (meu porto seguro). Devemos mostrar a esses “profissionais” que somos PACIENTES PRECISANDO DE TRATAMENTO MEDICINAL e não BRINQUEDOS, BONECAS INFLÁVEIS ou CORPOS QUE ELES PODEM TIRAR CASQUINHA QUANDO QUISEREM!