“Não precisam ficar assim não, cada uma dá pra dois!” – 998

998 – “No final de semana uma amiga e eu estávamos voltando da balada, era umas 04:00 da manhã. Quem conhece o centro de São Paulo sabe que a essa hora ainda está bem movimentado. Quando estávamos chegando na casa dela do outro lado da rua vinha um grupo com quatro rapazes. Eles se entreolharam e de longe deu pra perceber que falavam sobre nós. De repente um deles gritou “Que lindas! Vem cá pra gente conversar. Não precisam ficar assim não, cada uma dá pra dois!” Não resisti e levantei o dedo do meio bem alto. Eles riram e o idiota continuou “Pra quê esse dedo? Quem vê pensa que vocês são moças de família, moça decente não fica andando sozinha essa hora na rua. Ia oferecer carona pra vocês, mas depois dessa grosseria nem vou mais.” Poderíamos ter nos estressado por ter ouvido tanta merda de um machista que nem nos conhece, poderíamos ter parado, batido boca e dado uma lição de moral nele, mas tem gente que não vale a pena. Ao invés disso paramos no bar mais próximo e tomamos mais algumas cervejas, fazer o quê né? Não somos das nossas famílias, somos de nós mesmas.”