neste dia entendi o assédio sofrido pelas mulheres – 646

646 – “Do lado do meu apartamento tem uma obra e minha empregada sempre faz questão de deixar as cortinas fechadas dizendo que os olhares dos pedreiros a incomodam. Mesmo sem entender muito bem o que ela queria dizer, por ser homem, mas imaginando o receio dela de sofrer algum assédio verbal, visto a pouca distância entre meu apartamento e a obra, concordei em manter as cortinas sempre fechadas. Um dia desses ela não pôde ir trabalhar e, como eu ia ficar em casa mesmo, fui abrir as janelas que ela normalmente abre pela manhã. Minhas janelas são um pouco emperradas e por isso, além de demorarem para abrir, fazem bastante barulho, anunciando para toda a vizinhança que estão abrindo. Daí, no instante que termino de abrir a janela me deparo com uma série de olhares devoradores. De certo imaginavam que era minha empregada que estava abrindo a janela. Neste dia eu senti na pele, ainda que por alguns instantes, este tipo de assédio sofrido pelas mulheres.”