no ônibus cheio ele passava o COTOVELO no meu peito! – 1254

1254 – Eu estava voltando da cidade do meu namorado, que na época era só um namorado colorido, tinha ido passar a noite com ele. Eu tinha prova na USP a tarde então peguei um ônibus pra voltar pra SP por volta das 10h. Estava um calor tão infernal, e como eu havia ido a noitinha pra casa dele estava de calça jeans, que ele me emprestou um short velhinho de jogar futebol (tipo de quando ele tinha uns 16 anos sabe..), afinal era só ir até a USP fazer a prova e boa. Eu tava com a tal bermuda e uma camiseta da sininho (disney!). Bom, com aquela cara de ressaca, um óculos escuro e minha música cheguei no Tiete e peguei o metro. Como já era meio de dezembro nem tava tão lotado o trem, e não cheguei em um horário tão ruim…mas como precisava ficar acordada resolvi ficar em pé. Eis que estou de boa quando um cara, nem me lembro da cara dele na real, mas me parecia um cidadão comum, de bem, começou a se aproximar, até ai tudo bem, achei que ele queria se apoiar no ferro também (eu tenho que ficar no ferro, pois sou baixinha, haha). Mas não..ele começou a me dar uns sorrisos estranhos e a passar o cotovelo, sim O COTOVELO, no meu peito..isso de maneira descarada, passava, passava, se aproveitava do movimento do metrô, neste momento já não estava mais tão vazio e não tinha muito pra onde fugir. E o que me indignou é que na minha frente haviam outras mulheres e homens sentados que não faziam nada, só olhavam ou desviavam o olhar! Bom a estação da Luz estava chegando eu ia descer ali pra pegar a linha amarela, e precisa me aproximar mais da porta, pois havia me afastado por conta do cara…quando eu fui passar ele fez questão de vir por trás para tentar me encoxar!!!!!! foi nojento, mas graças a minha pequenice e meu jeitinho meio moleca eu consegui me esquivar e ficar a uma distância segura de caras escrotos como ele. Quando desci, o fdp ainda ficou me seguindo um tempo, mas apertei o passo e escapei. Em nenhum momento senti medo ou algo do tipo. Só sentia MUITA, MUITA raiva e indignação, porque ninguém disse nada? Eu estava provocando ele com aquele short magnifico do meu namorado?! E mesmo que tivesse, dane-se, ele que vá se tratar, eu não sou boneca inflável de ninguém! É foda, ninguém nessa porra não faz nada, não fala nada, se fingem de cegos, é por isso que tá essa merda. Eu não sei mais o que fazer, mas desde então dá um certo arrepio em ficar sozinha no metrô em meio a esse mar de tarados