O cara dirigia devagar, insistindo para me dar carona – 841

841 – “Estava caminhando sozinha numa rua em Foz do Iguaçu, estava então com 28 anos. Um carro que passava na rua começou a andar mais devagar, acompanhando meus passos. A princípio pensei que ele queria alguma informação, e ele parou o carro… Ele disse que não, que não estava perdido, só tinha me achado bonita e se eu não queria carona. Eu disse que não obrigada, e continuei andando… O cara voltou a dirigir devagar, insistindo para me dar carona, me perguntando onde eu ia. Comecei a apertar o passo, já ficando preocupada pois ainda estava longe do meu destino e era uma rua residencial sem nenhuma loja pra que eu pudesse entrar. Até certo momento eu ainda tentava responder educadamente que não estava interessada, mas o cara continuava me seguindo, depois comecei a ignorar tudo que ele dizia…. Depois de um tempo ele se cansou, reclamou algo que não entendi e saiu cantando pneu. Fiquei tensa até chegar ao meu destino e não quis mais sair desacompanhada enquanto estive em Foz.”