o motoqueiro andava paralelo a mim, se masturbando – 1075

1075 – Acabei de conhecer a página e adorei. Ela precisa ser mais divulgada, é preciso mostrar ao mundo as coisas absurdas pelas quais passamos todos os dias para que parem de minimizar nosso sofrimento e principalmente, parem de nos culpar!

Enfim, obviamente eu também tenho relatos e vou contar como foi meu primeiro contato (que eu me lembre) com o abuso:

Não me lembro que idade eu tinha, mas era jovem demais pra lidar com o que me ocorreu, no entanto já andava sozinha quando necessário. Eu estava indo da casa da minha avó para a casa onde eu morava. Era alguma data comemorativa, mas não me lembro qual. Eu estava sozinha, mas minha mãe supôs que era seguro eu ir, já que era dia e não era tão longe um lugar do outro… A rua em que eu andava, estava muito deserta. Um homem passou de moto, achei normal. Ele voltou, passou por mim, estranhei, mas imaginei que talvez ele estivesse perdido. Na terceira vez em que ouvi a moto voltando, já fiquei receosa. Quando ele passou por mim nas vezes anteriores eu não olhei, mas na terceira vez, subi na calçada (como se isso fosse me dar algima segurança) e olhei pra ver qual era a do moço. E adivinhem? O cara andava paralelo a mim se masturbando! Sei que pode parecer algo “leve” comparado ao que algumas outras mulheres passam, mas eu fiquei horrorizada! Eu era uma CRIANÇA! Uma criança sozinha, num lugar isolado com um maluco mostrando o pênis (algo que eu nunca tinha visto, mas sabia o que era e pra que era usado). Eu fiquei apavorada, o vagabundo me encarava na maior cara de pau e pareceu gostar de ver meu medo. Bati no portão da primeira casa que vi e ele foi embora. Ainda bem, porque não tinha ninguém na casa. Terminei o trajeto horrorizada, com medo. Não contei a ninguém. Me senti (e ainda me sinto) impotente.

Por isso temos que cuidar e apoiar umas as outras… Sororidade irmãs!