pensei “não vou levar desaforo pra casa” – 847

847 – “Bom, estava na rua agora pouco cuidando de uns assuntos pessoais, quando estava voltando a haste do meu óculos resolveu quebrar (‘tava torta faz um tempo, finalmente resolveu soltar) e eu tenho 4,5 graus de miopia. Ainda assim, falei que voltava de boas pra casa sem precisar de carona (poucos quarteirões, região conhecida, só precisava tomar cuidado para não trombar em alguma coisa).
Ia caminhando cuidadosamente pela rua, quando um porco bostão dentro de um carro estacionado perto da calçada falou alguma coisa do tipo “bonitinha”. Eu dei dois passos, então pensei “não vou levar desaforo pra casa”. Voltei, enfiei o braço dentro do carro dele falando “o que foi que você disse, pedaço de merda?” e tentei esfaquear o cara (que parecia ter uns 19 anos e era bem mais baixo e menor que eu) com a haste afiada do óculos.
A cara de medo dele foi ótima. Ele pulou pro banco do motorista, eu vi que não ia conseguir arrancar um olho dele, então recuei e continuei andando. Achei que o cara viria atrás, mas ele não fez ~nada~.
Reagir a assaltos não é certo, mas acho que reagir a cantadas pode funcionar, dependendo do lugar (rua lotada, no caso), porque os caras não esperam que uma mulher vá tentar matá-lo depois de um “elogio”. O choque é uma boa oportunidade de defesa. Espero que eu tenha deixado o cara com muito medo. Eu devia ter riscado o carro dele também, mas não ocorreu na hora.”