Perfil esquisito em app sobre paquera – 977

977 – Instalei um app sobre paquera pra saber como funciona e se conseguiria alguma coisa.

Já de cara um cara foi puxar papo comigo em ingles e perguntei se fala português, disse que não. Ainda por cima, o app mostra a real localização da pessoa e vi que ele se encontrava em Bahrein, um país minúsculo do Oriente Médio. Achei curioso.

Conversa vai, conversa vem, o cara disse que estava ali só pra fazer amizades o que não acreditei muito por que e pra que ele faria amizade com alguém de um lugar tão longe como o Brasil? Comecei a desconfiar.

Ele me deu seu whatsapp e ali continuamos a conversa. Pedi seu facebook. Para minha surpresa ou espanto, seu perfil diz que nasceu numa cidade X do Paquistão, num dia A e que atualmente mora em Toronto no Canadá. Por que estaria em Bahrein?

Pra piorar, achei em seu perfil um outro perfil seu! Com as mesmas fotos e nome, porém dizendo que nasceu numa cidade Y, numa dia B do mesmo mês do outro perfil e que atualmente mora em uma outra cidade que nem sei onde fica. Estranhei demais. Como se não bastasse vi que ele curte uma página sobre língua portuguesa, ou seja, fala sim português!

Pelo chat perguntei que horas era onde ele estava e me passou uma hora totalmente diferente do fuso horário em que ele se encontra no Oriente Médio! E pra completar perguntei de novo se fala português e não respondeu. Mas horas depois veio me perguntar em português o que eu estava fazendo naquele momento.

Em seguida fui pesquisa o número do whastapp que tinha passado. Vi que o código é mesmo de Bahrein

Depois dessa o exclui e o bloqueei de tudo, tudo mesmo!

Porém fiquei me perguntando: Por que tantas mentiras e informações estranhas? Será que é um aliciador de menores, de mulheres para prostituição? Um traficante de órgãos? E se uma adolescente ou criança tivesse acesso a um ser desses? Não sei, só sei que todo cuidado é pouco e a internet é um lugar perigoso principalmente para os jovens, e que os pais devem sim saber e fuxicar com quem seus filhos andam falando. Sei que nesse ponto pesa a invasão de privacidade, mas o que fazer? Ensinar para tomar cuidado com certas atitudes estranhas?