Por quê acham que quando a mulher reclama é mentira? – 1194

1194 – Homem sente, mulher sente, ambos sentem dor. Mas quando se trata de mulher, por quê tem que ser diferente, mentira? Vendo comentários sobre cantada fico me perguntando, quando a mulher fala do que sente, das vergonhas que passou por causa de certas cantadas, dos contrangimentos, por quê dizem que é mentira ?

Eu também achava que era exagero até que um dia, na hora hora do almoço, um cara me cantou da pior forma possível,  aquelas cantadas sujas que nem em filme porno se diz.  Todo santo dia me vi obrigada a mudar de calçada, mudar minha rota de almoço .

“Ah não pode ser, você só poderia estar andando de forma sensual.”  Realmente, uma calça social, ocúlos de grau maior que minha cara, e uma blusa social fechada sem decote algum. É, realmente minhas roupas são bastantes sensuais…

E a culpa é minha, a culpa é sempre minha. Até quando não aceito a cantada porque o cara é pobre, se fosse rico eu poderia esta me prostituindo pra ele. Alias, como dizem algumas revistas e blogs, toda mulher é uma prostituta indireta.

Por quê em nenhum momento se passa a ideia que meu corpo é meu e que ninguém tem o direito de mexer comigo na rua? Em nenhum momento passa na cabeça dessas pessoas que por trás de uma cantada (não digo essas de criança dos quais também não gosto, mas que não dou relevancia alguma), mas essas imorais que deixam a nossa dignidade no lixo, pode estar um estuprador?

Eu devo ser muito vitimista mesmo. Por isso eu digo que as mulheres tem que se informar, informar-se  e protegee-se. Se eu não tivesse corrido de uma cantada aos 10 anos de idade eu seria mais uma na estatisticas de estupro. O cara me chamava da janela da igreja e eu nao queria ir; ele me seguiu e eu tive que correr muito pra não ser alcançada. Cheguei chorando em casa; esse mesmo cara foi pego na rua violentado um animal meses depois.

Não quero fazer da minha vida um pequeno diario, nem quero dizer que sofro mais do que outras mulheres, e muito menos dizer que homens não sofrem pressão, mas nunca minimize a dor de alguém. Existem questões sérias que tem que ser discutidas, ouvidas e pensadas antes de se reproduzir toda forma infame de preconceito e machismo.

Talvez esse meu relato ajude outras mulheres a pensar e até proteger-se, porque afinal, moça, se algo acontecer com você na rua a culpa sempre será sua. Não terá nada nem ninguém pra te proteger a não ser você mesma.