Por que simplesmente não nos deixam em paz?! – 775

775 – “É ótimo conhecer esta página e saber que em algum lugar podemos deixar um relato que talvez sirva pra nos sentirmos mais irmãs. Bom, no meu caso eu estava em um dia muito ruim, e como de costume fui fazer uma caminhada na rua. Já andava na calçada com muito receio, pois já tinha levado muitas cantadas naquela rua. Não consigo descrever o quanto isso me incomoda, andar na rua sem nenhuma paz. Não é por que sou um modelo de beleza que ouço cantadas, acho que é por que sou mulher, negra, com mito de hiperssexualizada, e por que existem homens nojentos. Neste dia eu comecei minha caminhada rumo ao infinito, com os piores sentimentos turbilhando dentro de mim. Eis que o primeiro homem que passa fala bem perto do meu ouvido, quase encostando a boca em mim, algo como “oi gostosa”. Sem pensar eu parei e chamei ele de volta “Oi, você falou comigo? Quer conversar comigo ou o quê? Eu tenho cara de puta?” Falei isso com muita raiva, olhando nos olhos dele, crescendo o corpo pra cima… E ele se encolheu pedindo desculpas “não, quê isso, moça”. E eu continuava “quê isso, o quê? fala o que você quer! Fala aqui na minha cara!” E ele se encolhia mais, querendo ir embora, olhando pros lados, saindo devagar. E eu fui embora tremendo, com muita raiva de ter que viver isso desde que eu tenho 12 anos, quando comecei a ter corpo. Com muita raiva por que por ser mulher não posso andar tranquilamente na rua, a qualquer hora do dia, não tenho a mais básica liberdade de ir e vir, e ando com medo de ser estuprada, com medo dos homens, com medo apavorante que me faz olhar pros lados de tempos em tempos. E esse medo não passa, e não vai passar. Eu queria saber o que estes babacas que mexem com outras pessoas na rua acham. Será que eles acham mesmo que algum dia alguma mulher vai parar e abrir as pernas pra eles no meio da rua? Existe esta esperança? Se não, pra quê este comportamento? Se não for para demonstrar poder sobre nós, para nos deixar constrangidas e com medo, não há outra explicação.

Desculpa o livro, mas tenho mais um relato.

Eu estava no mercado comprando água, e um cara chegou pra mim e falou: “sabia que vc é muito linda, vc é muito gata” e eu, cara, que merda, me deixa em paz, falei algo assim “olha, isso é muito chato e desnecessário. Não faz isso não, cara.” Aí o homem ficou muito puto, sendo que quem deveria ter ficado puta era EU, e ficou praticamente gritando no mercado “ah, então vc é feia? se não gosta disso é feia, então, né? falou, sua feia”. E ficou atrás de mim “feiosa! a mulher não gosta de um elogio”. E eu fechei bem a cara e fiz de conta que não era comigo. Com certeza ele deu uma de doido pois todos ficaram olhando e acho que não entendiam muito bem com quem ele estava falando. Ele ficou gritando isso até eu pagar minha água e sair do mercado. E manobrando o carro no estacionamento ainda ouvia seus gritos pra mim. Por dentro eu estava me contorcendo de raiva e vergonha. Me pergunto de novo, pra quê isso? Por que simplesmente não nos deixam em paz?!

Não precisa publicar anonimamente, mas resolvi mandar mensagem pois eu acho lindo o jeito que vc escreve com as fotos ilustrativas…!

Gratidão pelo espaço!”

Patrícia