“que bunda, ein” – 700

700 – “Queria contar o que aconteceu comigo quinta à tarde. Estava saindo do trabalho, lá pelas 17h15. Trabalho perto da av. Santo Amaro e tenho que andar um trecho por ela pra chegar ao ponto de ônibus. Todo dia escuto umas buzinadas, além das besteiras típicas gritadas de uma janela de carro, mas hoje isso me incomodou bem mais que o normal. Como o trânsito estava muito lento, os carros estavam andando praticamente na mesma velocidade que eu. Conforme eu andava, notei que havia um mesmo carro seguindo do meu lado, mas nem cheguei a olhar pra dentro do carro, pq né, todo cuidado é pouco… daí comecei a escutar uns “psiu”, “nossa, tá de parabéns” e “que bunda, ein”, etc. Fiquei emputecida da cara, obvio, virei e vi dois marmanjos lá dentro com aquela cara nojenta de deboche. Não ia falar nada, mas não me aguentei e gritei de volta “me respeita, babaca”. Nisso, escutei risadas. Eu sabia que eles iriam acompanhar o meu passo o quanto pudessem e iam continuar falando besteiras. Decidi virar na próxima rua e esperar aqueles idiotas seguirem o rumo deles, mas qual não foi a minha surpresa quando eles viraram também na mesma rua, só pra continuar me assediando. Passaram por mim falando mais merdas e mostrei o dedo o meio. Nisso, o cara que estava do lado do passageiro me mostrou o dedo tbm. Depois eles aceleraram e pegaram o primeiro retorno de volta pra avenida.  A essa altura, meu humor já tava uma nhaca. Eu fiquei totalmente indignada, os idiotas desviaram do caminho deles APENAS PRA ME ATORMENTAR! Gente, ninguém merece! Juro que não aguento mais. “