“quero comer teus pentelho [sic]” – 1128

1128 – Eu tinha uns 13 ou 14 anos e estava usando uma calça jeans, camiseta do colégio e tênis, sem maquiagem, sem nada que me fizesse parecer mais velha. Estava caminhando ao meio-dia, sob o sol forte, em uma rua cheia de gente indo para o almoço e ao lado de uma amiga. Caminhando na nossa direção, na mesma calçada vinha um homem bem velho, cabelo desgrenhado, roupas rotas e sujas. Fiquei com pena do velho, mas ele estava olhando fixamente para mim com uma cara muito estranha, que na época não reconheci. Quando passou por nós, olhou bem nos meus olhos e disse com um tom muito nojento e em alto e bom som: “quero comer teus pentelho [sic]”. Tomei um susto, demorei a acreditar no que tinha ouvido. Tive tanto nojo que fiquei até constrangida de comentar com minha amiga. Das poucas vezes em que tentei contar essa história para alguém, não tive coragem de repetir as palavras dele.