Sofri um estupro dentro de um relacionamento lésbico – 2056

  • TRIGGER WARNING – Contém relato de estupro –

 

Muitas pessoas não acreditam quando a vítima de abuso sexual diz não saber se já foi ou não vítima de fato, no entanto percebo que isso é frequente. Nunca me relacionei sexualmente com homens, apesar de considerar bissexual e já ter “ficado” com alguns homens, sempre tive relacionamentos mais profundos com mulheres.

Meu segundo namoro começou quando eu tinha 17 anos e ela 20. Eu ainda era virgem e também inexperiente no que diz respeito à relacionamentos. Ela era extremamente ciumenta e possessiva, controlava com quem eu falava, quem poderia ser meu amigo ou não, para onde eu poderia ir, o que eu deveria vestir (geralmente roupas chamativas e maquiagem) e como gastar meu dinheiro. Parte de mim sabia que havia algo errado naquela relação, mas sempre que questionava suas atitudes, ouvia que eu não transmitia a confiança necessária, que ela não era assim nos outros relacionamentos, que eu não deveria “bater de frente” sempre que discordasse dela e milhares de outras frases que hoje percebo serem frequentes em relacionamentos abusivos.

De tudo o que aconteceu nos quase 3 anos em que estivemos juntas, houve um fato que só consegui entender atualmente, quando descobri este blog. Estávamos na casa dela, tínhamos discutido, eu tentava mais uma vez terminar e, depois de muita briga, eu só conseguia chorar. Lembro que me sentia exausta, achando que nunca conseguiria seguir em frente, como se fosse condenada a ficar pesa naquela relação. Até que senti ela se aproximando de mim e beijando meu pescoço e, mesmo quando eu pedi para ela parar, repeti que estava infeliz, que não queria continuar com ela, ela continuou me beijando e passando a língua em mim. Me senti horrível, me senti nojenta, continuei chorando e não me movi. Ela continuou beijando e começou a me tocar por baixo da roupa, me penetrar e eu continuei imóvel.

Ela insistiu naquilo por algum tempo, que na hora pareceu ter sido uma eternidade, mas agora, escrevendo, não sei ao certo quanto foi. Dizia que eu estava gostando, que, mesmo dizendo que não queria mais, o meu corpo queria, que ela sabia como me tocar, que tínhamos que ficar juntas. E eu não respondi, apenas fiquei lá, imóvel.
Depois de um tempo ela parou e me abraçou. Eu permaneci do mesmo jeito.

O pior é que depois desse fato, nós voltamos e ficamos juntas até o momento em que eu realmente me empoderei e tive forças para sair daquele inferno. Há quase 1 ano terminamos e eu excluí e bloqueei de tudo o que era possível, não quero saber nada sobre ela e nem quero que ela saiba algo sobre mim.

Obrigada pelo espaço para compartilharmos nossas vivências. É muito importante sentir que não se está sozinha.