tem gente que não sabe lidar com rejeição! – 844

844 – “Moro num bairro de São Paulo que é mais humilde, e só tem uma linha de ônibus que sai daqui e vai pro metrô.
Hoje passei o dia todo em casa curtindo a prequiça, mas eu tinha que ir até o mercado. Enrolei o dia todo, mas a noite chegou e eu não tive mais escolha, me troquei e fui, com croc no pé, calça de moletom. Fui até o ponto final do ônibus, que fica numa praça, e a praça estava sem luz… Fiquei apreensiva, e vi que havia um cara sentado no banco da praça… Me aproximando mais, vi que era o cobrador do ônibus, eu pego sempre, então já o havia visto muitas vezes, mas nunca falado com ele. Fiquei mais sossegada, pelo menos não ia ficar sozinha na praça, já que o ônibus demoraria 10 minutos para sair. Começamos a conversar e ele logo foi perguntando se eu era casada. Disse que não e mudei de assunto. Ele respondeu minhas perguntas, mas logo voltava a perguntar se eu saia, se eu bebia, e me perguntava pq eu nao namorava. Não se conformava por eu não namorar. Que eu devia ter algum problema. Perguntou varias vezes se eu nao queria sair com ele, se eu nao podia dar meu telefone, se eu nao queria pegar o telefone dele, e a tudo que ele disse eu delicadamente e educadamente recusei. Daí ele começou a dizer que era por isso que eu tava solteira, e que eu ia continuar assim. Eu virei e disse, olha, obrigada pelo convite, mas eu realmente não estou interessada. O cara falou “depois dessa nem tem o que dizer mais”…. Levantou, me deixou sozinha lá, e entrou no ônibus. Dali uns 2 minutos o motorista chegou, e eu entrei no ônibus também. Ao passar pela catraca, o cara desviou o olhar. Na hora de descer também ia falar tchau, e ele me ignorou. Fiquei todo período do mercado pensando no que eu tinha feito de errado, e ia até chegar e perguntar pra ele, porque provavelmente na volta pegaria o mesmo ônibus… Daí pensei… quer saber… tem gente que não sabe lidar com rejeição!  Fui super de boa com ele, e o cara me ignora depois? porque não tava interessada em sair com ele? Deixei pra lá, e rezei pra não pegar o mesmo ônibus na volta. E não era, ainda bem… De qualquer jeito ainda vou encontrar ele por aí…
De qualquer jeito eu fiquei pensando depois… olha que bosta… fiquei o tempo todo que estava no mercado matutando sobre o que aconteceu… e pra que? O cara deve fazer isso com todas as passageiras.. porque me preocupar?…”