Trai a namorada e chama as outras de ‘piranha’ – 1036

1036 – Há um bom tempo acompanho a página e acho que ela faz um excelente serviço em denunciar e mostrar os abusos que nós mulheres sofremos todos os dias. Porém infelizmente os abusos não se limitam apenas a ouvir “gostosa” e termos do tipo no meio da rua, o buraco é muito mais em baixo.
Há diferentes formas de abusos que muitas mulheres são submetidas e muitas vezes nem percebem. Então inspirada nos relatos e principalmente no relato 1026, resolvi contar um caso deprimente que me aconteceu recentemente de um caso total de abuso e machismo que me deixa perplexa. Segue abaixo o texto:

Na faculdade, uns amigos me apresentaram a um amigo, o K, que virou meu amigo.
K é garanhão. Adora falar de putaria, das meninas que quer comer, etc, tudo em tom humorado. Parece um palhaço.

Passou a dar em cima de mim. Ficou meses me paquerando e resolvi corresponder às suas investidas. O adicionei no Facebook e gostei de ver que ostentava o status de “solteiro”, pois recentemente tinha ficado magoada com outro cara que me paquerou bastante sem falar que namora. Porém não queria me dar seu número de celular, estranhei. A gente começou a ficar e marcamos de transar. Eis que K revela que tem namorada, a V… Mas é tão palhaço e debochado que não acreditei, porque ele aparenta ser solteiro (não vi nenhuma namorada em seu perfil) e todos nossos amigos sabiam que ele tava me querendo. Continuou a falar debochadamente que namora e que a qualquer hora a moça poderia aparecer na faculdade pra buscar ele de carro. Não acreditei muito, mas parecia que ele queria muito que eu a conhecesse. E se essa mulher existisse, o que tenho a ver com isso? Não sou eu que tenho um relacionamento com ela. Estava fria demais pra me importar.

Dias depois de transarmos, teve cerimônia de formatura de uns amigos nossos. K surgiu com a namorada que, por sua vez, ficou o tempo todo me encarando feio, e ele com o olhar de puro medo. V estava assim porque não gosta que ele fale comigo no chat do Facebook. E ele estava com tanto medo que, apesar de ser expansivo, ficou muito quieto e saiu correndo com ela dali. Não viu os amigos colarem grau, fugiu. Um amigo meu que sabe de tudo (os amigos dele já sabiam que ele namora, menos eu que soube bem depois), ficou chocado com a mudança de comportamento dele. Eu fiquei sem acreditar naquela cena, mas vi que ela existe mesmo. No mesmo dia K entrou correndo no Facebook. Mudou o status para “relacionamento sério com V” e postou uma foto deles dois juntos. K já tinha V adicionada, mas dizia que era solteiro. E pediu pra eu não aceitar a V, caso ela fosse me adicionar. Mas mesmo assim continuei pegando.

Ficamos mais íntimos e com tudo isso, ele se sentiu relaxado pra falar sobre o relacionamento dele na minha frente. E como fala demais, descobri muita coisa sem perguntar nada:
K namora V há uns 7 anos e vive pegando várias mulheres às escondidas. Me disse que só está com a V porque ela é legal e cuida bem dos pais dele. Uma vez, antes de me conhecer, alguém da faculdade contou tudo a ela que continuou o namoro porque embora tudo seja verdade, não tinha como provar. Ele vive falando das colegas nossas que gostaria de traçar. Olha com aquele olhar de nojo pra todas que acha bonitas na rua. Chama todas as mulheres sexualmente ativas de piranhas, inclusive eu (quase lhe dei um soco algumas vezes). Diz sempre que se fosse rico não se casaria porque casar é coisa de pobre, mas que se V enchesse pra casar, cairia fora. K ganha bem menos que V e vive endividado porque ambos estão montando uma casa no terreno da família dele! (deu a entender que está com ela por causa da grana). Todo fim de semana V vai pra casa de K sem que K goste, mas aceita porque ele acha que é obrigação de namoro. V faz tudo na casa de K: comida, faxina, cuida das coisas dele, dos animais de estimação dele, faz companhia aos pais dele e até pinta as unhas dele. K não faz nada na casa dela. Vive falando super mal de V pra todos os amigos e quando ela liga pra ele, debocha demais dela. Ele não exige fidelidade dela, não liga se ela tiver outros e diz que trai porque comer sempre feijão com arroz é chato. Transa sem camisinha com a namorada porque ela acha que camisinha é sinônimo de traição (fiquei chocada ao saber dessa e agradeci por eu sempre exigir camisinha). K foge de V como o diabo foge da cruz.

Os meses foram passando e fui ficando cada vez mais espantada com tudo isso. K em tom de brincadeira dizia que se ela descobrisse tudo, iria correndo me bater porque é muito braba. Apesar do medo de ser pego, ele parecia muito querer que ela caísse na porrada comigo. V ficou desconfiada e exigiu a senha do perfil dele e perguntava porque ele não usava o Facebook na casa dela. K pediu pra eu apagar toda nossa conversa, coisa que não fiz.

No final do ano passado, marcamos duas viagens curtas com nossos amigos. K estava animado, mas a 1ª foi cancelada e ele ficou muito irado porque perdeu uma chance de ficar uns dias longe da namorada. Já na 2ª eu estava irritada com tudo isso. Ficamos juntos e ele queria transar mais uma vez antes do ano acabar. Porém ficou a viagem toda falando mal de V pra todo mundo e falando super bem dela apenas pra mim! Sem noção ou tentativa de fazer ciumes? Não aguentei e lhe dei um esporro perguntando como é que ele conseguia fazer tudo isso? Tratar a mulher feito gato e sapato, falar mal dela pra todos, falar bem pra mim(?) enquanto ela ficava fazendo tudo por ele e na casa dele? E por que eu estava nessa doideira ajudando a mulher a ser feita de besta? Isso não estava certo, senti muita pena da moça. K não gostou. Imediatamente passou a curtir e a comentar tudo que a namorada posta no Facebook.

Dias depois perguntei no chat sobre a transa que ele queria ter comigo. Respondeu com grosseria que depois a gente veria isso na faculdade. Em seguida caiu uma chuva de verão que inundou a sua casa. Na aula, o amigo mais íntimo dele perguntou rindo se V ofereceu a casa dele e se ele foi inteligente em não aceitar. K respondeu que ela fez isso e que logicamente não aceitou. Os dois riram. Na volta da aula, K disse que está na casa do irmão que é chato demais, mas que no natal iria pra casa de V porque não queria aturar o irmão mala e porque é ela que faz a ceia. Nessa hora ela ligou pra falar que os bichos de estimação dele estavam bem, que ela estava cuidando direito deles. K falou dos bichos com bastante amor e emoção, mas com frieza com V. Reclamei dele tratá-la com desdém. Disse que vai sossegar o facho, não acreditei. Pois o problema nem são apenas as traições e sim como ele a trata. Tudo isso me incomodou muito. Resolvi cair fora.

Os dias se passaram, 2014 chegou. Há poucos dias o vi online e fui puxar papo como de costume. Perguntei coisas normais sobre o réveillon, a casa e que matérias vai fazer no curso. Não me respondeu. Dias depois apareceu novo, tentei falar, mas não respondeu. E enquanto tentava conversar, K curtia e comentava os posts de várias pessoas.