‘Um motoqueiro acaba de cuspir na minha cara’ – 483

483 – ‘Meu nome é Sarah, e um motoqueiro acaba de cuspir na minha cara’  “Porque eu não aceitei uma cantada.   Me desculpe, eu estava saindo da faculdade às 22h30, após trabalhar o dia todo, fazer a viagem de ida e volta entre São Caetano do Sul e Jundiaí, usando jeans, camisa larga e tênis, então talvez não estivesse no humor certo pra ouvir um assovio e me sentir a última bolacha do pacote. Me desculpe, mas eu reagi.   Eu mostrei meu dedo médio da mão direita.   O motoqueiro foi embora, mas voltou pra tirar satisfação. Me chamou de vagabunda e cuspiu em mim. ” [……]   (alguns comentários são nojentos)