Vi duas mulheres ser assediadas, senti vergonha de ser homem – 1042

1042 – Em um desses dias de calor escaldante de Porto Alegre tive que encarar o calor para ir ao banco e resolver alguns outros problemas. Quando fui para a parada pegar um ônibus para voltar para casa já estava começando a anoitecer. A rua em que estava parece ser um ponto frequentado por meretrizes, embora fosse cedo demais para que alguma estivesse por ali.

Duas mulheres, que não deviam ter mais que 25 anos cada uma, pararam ao meu lado e em cinco minutos o inferno começou. Todos os carros que passavam buzinavam, alguns gritavam e os “elogios” logo começaram, até o ponto em que alguém diminuiu a velocidade para perguntar o preço e se dava para levar “duas pelo preço de uma”.

Vi que elas estavam incomodadas e uma delas parecia realmente assustada, perguntei se estavam bem e me ofereci para chamar um táxi para elas, já que o ônibus não aparecia. Também senti a necessidade de me desculpar com elas pelo ocorrido.

Sou homem e senti muita vergonha de ser um naquela hora.