“você é muita gostosa e eu quero te comer sua puta, vadia” – 855

855 – “Quando eu tinha uns 8 anos um homem, que estava em cima de um coqueiro no quintal da casa que ficava atrás do meu quintal, mostrou para mim e para minha irmã de 7 anos o pênis. Ele ficou nos olhando, estávamos brincando apenas, e ficou balançando o pênis. Falamos para nossa mãe padrasto que foram lá discutir com o homem. Ele devia ter mais de 30 anos.Quando eu tinha uns 14/15 anos eu estava andando na rua, voltando da casa de uma amiga, era mais ou menos meio-dia, e percebi que um carro movimentava-se devagar atrás de mim, quando olhei vi um homem dirigindo uma ambulância e ele estava se masturbando, fiquei em choque, morri de medo porque não havia ninguém na rua, engoli seco e dei meia volta, meio desnorteada sem saber direito o que fazer e sentindo uma repulsa tremenda do que havia acontecido.Mais ou menos nessa mesma época eu e minha amiga fomos abordada por um homem de uns 40 e poucos anos dirigindo um fusca branco, ele parou e pediu informação, nos mantivemos distante, mas minha amiga deu um passo a frente para ouvir melhor o que ele falava e disse “vamos embora” e saímos com pressa. Depois ela me falou que ele estava com o pênis pra fora e se masturbando.

Já vi um homem esfregar o pênis no ombro de uma amiga minha. O ônibus não estava cheio e ele parou bem ao lado dela, que estava sentada na cadeira, ele ficou se esfregando e o seu pênis foi endurecendo, uns rapazes do fundo do ônibus viram e começaram a falar pro cara que iriam bater nele, chamar de safado e tarado. Ele desceu no ponto seguinte. Ficamos em choque e sem conseguir olhar direito uma pra outra e sem falar nada por um tempo.

Já aconteceu de eu estar andando na rua com uma amiga e um homem passar de bicicleta em alta velocidade e passar a mão na minha bunda, sair rindo e gritando “uhuuuulll”.
Já ouvi várias vezes coisas do tipo: “Quero chupar sua buceta”, “chupa meu pau”, “sua safada, quero te comer todinha”, homens que passam no carro e gritam “vadia”, “vagabunda, se se eu te pego te como todinha” etc.

Sempre me sinto humilhada e com ódio, quase nunca respondo com medo de represália ou violência pior, mas ás vezes, se o lugar tem bastante gente e é dia eu até mando se fuder e chamo de escroto, mas fico com um medo danado de ser agredida ou ouvir coisas piores.

Mas o que me deu mais medo e me deixou apreensiva e ENOJADA foi quando eu estava voltando do trabalho, desci na estação de trem da Hebraica – Rebouças em SP e ouvi um homem murmurando algo pra mim, primeiro achei que ele queria informação, mas depois eu ouvi bem o que ele falava: “Você é linda, quer sair comigo?” Eu disse: “Claro que não, eu sou casada” (nem namorado eu tinha, mas foi a primeira coisa que me veio à cabeça) Ele continuou: ” você é muita gostosa e eu quero te comer sua puta, vadia” Eu já tinha me afastado e estava andando rápido e ele se aproximou enquanto falava isso, pois também começou a andar mais rápido. Eu olhei pra ele e foi aí que eu dei graças a Deus por estar em um local público, com bastante gente: Ele me olhava com um olhar animalesco, eu soube naquele momento que se estivéssemos em uma rua com pouca gente ou sem ninguém, ele iria tentar me estuprar. Ele estava com cara de quem faria isso, ele murmurava coisas nojentas e apalpava o pênis… Então, eu andei ainda mais rápido e ele se afastou. Ele entrou no banheiro da estação de trem e eu olhei pra trás para ver se ele havia se afastado mesmo e então percebi que ele estava com uma ereção e nunca mais eu esqueço aquele olhar: Enquanto ele entrava no banheiro me olhava com uma mistura de ódio e desejo sexual imundo como se quisesse me agarrar ali mesmo. O pior é que eu tenho certeza que ele foi se masturbar no banheiro e eu fui pra casa sentindo nojo, com vergonha, me sentindo mal e fiquei pensando que a saia que eu usava, que não era curta, mas era uma saia social colada ao corpo, foi o motivo que o levou a se comportar daquele jeito. Fiquei alguns dias pensando nisso e sempre que lembro da cara e o do olhar sujo dele eu sinto nojo e raiva.”