“Você precisa encontrar um namorado logo” – 807

807 – “Eu desde sempre fui uma menina mais diferente e por isso eu já tive que ouvir muitos absurdos da minha família. Eu sempre fui menos feminina, vamos dizer assim, sempre fui amiga dos meninos e nunca liguei muito pra vaidade, tanto que só comprei meu primeito kit de maquiagem mesmo com 18 anos. Por causa disso, e por nunca ter tido um namorado de verdade, oficial, público, ouço várias insinuações da minha família. Lembro que depois que dei meu primeiro beijo, a família inteira ficou sabendo e eu recebi uma ligação do meu tio falando “Você gostou mesmo de ficar com o menino? Eu vou falar a verdade e dizer que eu achava que você ia ser sapatão”. Eu tinha 14 anos, eu não sabia ainda, eu tinha gostado, mas e se eu fosse lésbica? Esse mesmo tio diz que a esposa dele não pode pintar a unha de vermelho porque não é coisa decente de mulher casada, e o pior é que a mulher dele não pinta mesmo. Outra vez minha avó veio soltar mais indireta pra mim, falando “Você precisa encontrar um namorado logo, porque logo você vai ser uma advogada formada e sem marido, o que as pessoas vão pensar de você?” dando a entender totalmente que, por ser formada e sem marido, eu seria lésbica. Novamente, e se eu fosse? Qual o problema? Além do fato de dizer que uma mulher não pode se formar e não se casar sem ter sua sexualidade colocada a prova, ainda quer atrelar minha felicidade a um homem. Eu não preciso de namorado, marido, pra ser feliz. Não vou dizer que não preciso de homem pra ser feliz porque tenho grandes amigos homens, tem o meu pai, e eu não seria feliz sem eles, mas eu COM CERTEZA posso ser feliz sem um macho me controlando. Esta mesma avó já teve a coragem de chegar pra mim e falar “As pessoas da sua faculdade não falam nada de você não? Porque desse jeito que você se veste, eles devem te confundir até com empregada doméstica, assim você vai ficar igual tia fulaninha, velha e solteirona, porque nenhum homem quer mulher que se veste assim.” Eu juro que tento ser forte, mas as vezes simplesmente não dá. Eu tenho que morar com ela justamente por cauda da faculdade, meus pais estão longe, não podem me defender dessas coisas sempre. Eu nunca consigo responder a altura na hora, a raiva é tão grande que eu travo, choro de ódio. Por que diabos eu tenho que mudar o jeito que eu sou pra conseguir um homem? Por que eu preciso de um homem? Por que as pessoas da minha própria família não podem simplesmente me aceitar do jeito que eu sou e me amar assim? Todo dia, praticamente, eu sou humilhada por essas pessoas que teimam em dizer que só querem o meu bem, mas na verdade só me humilham, ninguém me respeita. “Tambor” é o nome mais bonito que me chamam nessa casa, sou sempre a gorda esquisita que nunca vai arrumar um homem.