“Você tava passando a mão em mim, seu filho da puta!” – 934

934 – Bom, já passei por várias situações. No entanto, gostaria de relatar essa, porque dessa vez, o final foi diferente…
Pode até parecer fantasiosa, mas é verdade.
Aconteceu há dois anos, eu estava com 22 anos na época.
Era noite, umas 9 horas mais ou menos e eu peguei um ônibus para ir pra casa – estava vindo da faculdade- que estava cheio, mas não lotado. Eu fiquei em pé e, ao meu lado, tinha um cara de mais ou menos uns 27 anos. Sei que a roupa não tem nada a ver, mas gostaria de dizer como eu estava vestida: calça jeans, blusa branca básica, aquelas de manguinha curta, sem nenhum decote. Estava de tênis all star e levando minha mochila nas costas. Alguém acha essa roupa provocante? Sexy? Não, né…?!
Enfim…
O cara, de forma muito sutil, começou a passar a mão em mim. Era quase imperceptível, eu demorei um pouco pra me tocar, até porque, ele disfarçava, pois aproveitava que ônibus balançava pra poder encostar em mim. No começo, fiquei meio sem saber o que fazer, pois eu não tinha certeza, achava que era impressão minha. De primeira achei até que era culpa minha – a gente sempre se culpa, né meninas? – pois eu achei que era EU quem estava esbarrando nele. Eu olhava pra ele, e o safado não me olhava, ele ficava olhando fixo pra frente, em direção a janela do ônibus.
O cara encostou no meu peito, tentou colocar a mão no cós da minha calça, bem na parte da frente. Eu, ainda não conseguindo acreditar que isso estava acontecendo e com medo tomar uma atitude drástica sem ter realmente certeza, tentei me afastar dele o máximo que pude. Cheguei um pouco mais para o lado, mas como o coletivo estava cheio, não deu pra me afastar muito dele. O cara não se contentou e foi pra perto de mim de novo, e continuou tentando me encostar. Resolvi mudar de lugar. Não fiquei mais ao lado dele, me virei e fiquei de costas para ele, mas não na mesma direção, para que ele não pudesse mais encostar em mim. Mesmo assim, eu não tive como me afastar muito e , assim, ele deu um jeito de ficar quase de costas comigo e começou a passar mão na minha bunda! Gente, era tudo de forma muito sutil! Eu ainda não conseguia acreditar naquilo! Até que ele pegou o celular que estava na mão dele, era um de tela bem grande, e começou a escrever. Do nada, ele virou a tela do celular pra mim. Quando eu olhei, estava escrito assim: VOCÊ É UM TESÃO!
Cara, nessa hora eu fiquei com muita raiva. Me senti muito humilhada, mas também fiquei cheia de ódio. Era como se ele estivesse agradecendo por ter ficado passando a mão em mim durante quase toda a viagem. Resolvi tomar uma atitude. Fiquei pensando: corro o risco de apanhar aqui…mas foda-se, não vou deixar por isso mesmo o que esse filho da puta fez comigo. Aí eu pensei em dar um chute na canela dele antes de eu descer.
Já estava chegando próximo ao ponto que eu iria descer e uma pessoa puxou a cigarra do ônibus. Nesse momento, com toda a força que eu pude dei um chute na canela dele. Mas eu estava com tanto ódio, que continuei chutando. Consegui dar três chutes bem na canela dele. Só depois que eu dei o terceiro que ele se afastou de mim. Quando ele se afastou, fui pra cima dele e consegui dar um soco na cara dele! Só aí que ele esboçou reação. Ele veio pra cima de mim, ele era bem mais alto do que eu e começou a gritar:
Ele: – Tá maluca!?
Eu: Tá maluca é o caralho! Você tava passando a mão em mim, seu filho da puta! – Nisso eu comecei a chorar…
Aí, um homem que estava sentado na última fileira do ônibus levantou e disse: – Não vai bater nela não!
Nisso o desgraçado ficou murchinho, cheio de medo. Ele disse quase chorando:
– Mas ela me deu um soco na cara!!
Eu respondi: Vai se foder, filho da puta! Você estava passando a mão em mim, seu tarado,seu desgraçado. – Falei tudo isso gritando e chorando.
Tudo isso aconteceu muito rápido. Quando dei por mim, o ônibus já estava parado. Eu fui em direção a porta para poder descer, saí esbarrando nas pessoas sem pedir licença, estava tremendo dos pés à cabeça. A primeira coisa que fiz quando desci do ônibus, foi começar a procurar uma pedra, pois fiquei com medo dele vir atrás de mim, mas eu estava disposta a tudo. Felizmente, assim que eu desci, o motorista fechou a porta do ônibus. O mesmo ficou um tempo parado e nisso, eu aproveitei pra sair correndo. Só aí o motorista saiu com o ônibus.
Nossa! Cheguei em casa super nervosa, mas sobretudo, com muita raiva de mim, por não ter conseguido bater mais nele. Eu queria ter dado um soco bem dado, um soco profissional bem no meio da cara daquele filho da puta. Queria ter quebrado o dente dele…
Sei que pelo menos eu consegui reagir e ele passou a maior vergonha, mas, depois que isso aconteceu, fiquei com medo de pegar ônibus , principalmente no horário em que eu saía da faculdade, pois eu tinha medo de encontrar ele de novo e ele querer se vingar de mim.
Fiquei um bom tempo tendo que voltar de trem.
Hoje, já superei isso. Sendo que tem um a coisa: não tolero mais nada. Se acontecer algo do tipo de novo, reagirei com certeza! Nem que pelo menos eu só grite, mas também farei o maior escândalo. Acho que se uma mulher passar pelo mesmo, deve gritar, fazer escândalo! Gritem, meninas! Denunciem! Não temos mais que tolerar isso!!